16 de jan de 2013

Colheita bendita

Tudo posso, desde que minhas atitudes reverberem minhas crenças e (à) vontades, desde que cada um dos meu gestos seja uma extensão da minha presença.
Acredito no amor e continuarei a semeá-lo, a despeito de todos os pesares. Existem terrenos férteis e possibilidades imensas.
Semearei amor ainda que a baixa vileza humana se apresente cada vez mais próxima. Semearei amor mesmo que a crueldade se manifeste consanguínea. Semearei amor porque tenho me alimentado dos amores que nutrem a minha lucidez. Porque amar liberta. Porque o amor destrói e movimenta. O amor cria.
Semearei amor porque o amor vive em mim.